Subgrupo de Política Monetária apresenta novos dados

 

Por Luiza Ferreira

 

Na última sexta-feira (05), o Grupo de Conjuntura contou com a apresentação do seu Subgrupo de Política Monetária.

Foram apresentados dados sobre o crédito, taxa de juros, base monetária e agregados monetários.

A base de dados usados foi extraída do Banco Central, sendo exposto o período de Janeiro a Julho de 2018. Os dados nos mostram que tivemos uma elevação de 1,1% do saldo total de crédito durante o ano, totalizando 3,2 trilhões de reais durante esse período, enquanto em 2017 no mesmo período de análise tivemos uma redução de 1,4 pontos percentual. Dessa forma conseguimos analisar que a tendência do credito durante esse período foi positiva e continua sendo.

Esse saldo de 3,2 trilhões é o maior desde Maio de 2016.

Subgrupo de Empregos e Salários apresenta novos dados

 

Por Luiza Ferreira

 

Na  sexta-fúltima sexta-feira (28), o grupo de conjuntura contou com a apresentação do seu subgrupo Empregos e Salários

O Subgrupo fez um a respeito da taxa de desemprego, desocupação, dos salários e ainda uma analise dos dados pelo recorte raça e gênero, uma novidade nas análises do grupo.

Uma análise feita baseada em dados extraídos da PNAD Contínua mostra que o mercado de trabalho continua tendo uma lenta recuperação, embora o esperado para 2018 fosse uma aceleração da economia. A melhora projetada para o mercado de trabalho vem se dando devido ao aumento de ocupação no mercado informal.

Metodologia de dados na política fiscal

Por Luiza Ferreira

 

Na última sexta-feira (14), o grupo de conjuntura contou com  a apresentação do seu subgrupo de Política Fiscal.

A apresentação foi sobre a metodologia de dados da política fiscal do Brasil, em que foram apresentados os principais indicadores, sendo alguns deles: resultado nominal, resultado primário, indicadores de dívida (bruta, liquida e mobiliaria); o subgrupo também explicou de que forma esse índices podem ser avaliados.

Um dos índices citados foi o Superávit Primário. O resultado primário, que exclui das receitas totais os ganhos de aplicações financeiras e, dos gastos totais, os juros nominais devidos, mede como as ações correntes do setor público afetam a trajetória de seu endividamento líquido. O principal objetivo desse cálculo é avaliar a sustentabilidade da política fiscal em um dado exercício financeiro, tendo em vista o patamar atual da dívida consolidada e a capacidade de pagamento da mesma pelo setor público no longo prazo.

Subgrupo de inflação apresenta metodologia de dados

Reunião realizada no dia 31 de agosto sobre metodologias de medição da inflação.

Por Luiza Ferreira

Na última sexta-feira (31) , o Grupo de Conjuntura contou com a apresentação do seu subgrupo de Inflação. A apresentação foi pautada em explicar o que é a inflação, quais são os índices utilizados para sua aferição, seu impacto no orçamento familiar, dentre as quais aquelas com menor renda tem um maior sensibilidade as variações, reduzindo o seu poder de compra.

Alguns índices usados para medir a inflação são IPCA, INPC, IGP, ICV, INCC. Esses índices são medidos através de pesquisas de orçamento familiar, coleta de preços em estabelecimentos comerciais, dentre outros Eles são usados para medir a variação dos preços , porem não refletem totalmente a inflação que as pessoas sentem em seus lares, não significando que os índices não reflitam a realidade; porém, cada índice tem uma metodologia diferente e sua medição é feita por diversos órgãos, como o IBGE, FGV e a FIPE, bem como a diferença de cada um deles está nos dias em que são feitos